Salada Verde

Jogos caseiros para criança são alternativa para educação ambiental na quarentena

Iniciativa do Brasília Ambiental disponibiliza online as cartas do jogo de memória da coleção Eu Amo Cerrado para poder ser utilizado em casa com as crianças

Daniele Bragança ·
9 de abril de 2020 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
As cartas e o kit do jogo da memória e do Pirá-Brasília. Foto: Marcus Paredes/Brasília Ambiental.

A quarentena imposta pelo coronavírus tem desafiado pais na missão de entreter seus filhos. Com as aulas suspensas, muitos procuram estimular atividades educativas para incentivar as crianças mesmo dentro de casa a continuarem aprendendo. Na área ambiental, mesmo sem o recurso mais poderoso do contato direto com a natureza, também é possível organizar jogos que ajudem os pequenos a se conscientizar ambientalmente.

Uma das iniciativas é da Unidade de Educação Ambiental do Brasília Ambiental que disponibilizou online em PDF um jogo de cartas da coleção Eu amo Cerrado. O jogo consiste em 64 cartas que formam 32 pares, seis são peixes, nove são árvores e 17 são frutos, todos do Cerrado, é claro. Ganha o jogo quem conseguir formar o maior número de pares, a partir do embaralhamento das cartas. O jogo promove o conhecimento das espécies de fauna e flora do Cerrado e estimula a valorização do bioma.

Existem ainda outras formas de jogar com as mesmas 64 cartas, como o jogo Pirá-Brasília, nome que homenageia um pequeno peixe endêmico do Distrito Federal e ameaçado de extinção. Neste jogo, de raciocínio lógico, o objetivo é descartar todos os pares e finalizar o jogo com a carta do Pirá-brasília (Simpsonichthys boitonei) em mãos. “Esse jogador tem a possibilidade de salvá-lo e preservá-lo”, explica a coordenadora do Projeto Eu Amo Cerrado, Mariana dos Anjos, que ressalta o caráter lúdico e educativo da brincadeira.

O material para as atividades está disponível para download no link, basta baixar e imprimir. O chefe da Unidade de Educação Ambiental, Marcus Parede, pontua ainda que “Neste momento em que temos que ficar em casa para a preservação da nossa saúde, da família e dos outros – e também em que não podemos desfrutar o meio ambiente, ela [natureza] pode vir até a nós, por intermédio destes jogos”.

O Instituto de Meio Ambiente de Santa Catarina também disponibilizou diversas cartilhas educativas da série Nosso Ambiente, com temas diversos referentes à natureza. O desafio lançado é que, depois de escolher um dos temas e ler a cartilha, a criança faça um vídeo de 1 minuto, uma música, uma história ou um desenho do tema escolhido e envie para o e-mail [email protected] até o dia 20 de abril de 2020.

Podem participar crianças de 3 a 12 anos de idade. Todos os trabalhos serão compartilhados nas redes sociais do IMA. As cartilhas estão disponíveis na página do IMA (acesse aqui).

 

Leia Também 

Manual de sobrevivência na quarentena: como visitar os parques sem sair de casa

Livro fala sobre importância da conexão das crianças com a natureza

Lançado o livro vermelho de espécies ameaçadas para crianças

 

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Salada Verde
7 de junho de 2015

Lançado o livro vermelho de espécies ameaçadas para crianças

Divulgado no Dia Mundial do Meio Ambiente, publicação infantil explica o que é e como é feita a Lista de Espécies Ameaçadas de Extinção

Salada Verde
5 de abril de 2020

Livro fala sobre importância da conexão das crianças com a natureza

Lançamento do livro Tâpui Ñyata – A Voz da Natureza conta a história de uma jovem deficiente auditiva que passa a escutar as vozes da natureza e lutar para defendê-la

Salada Verde
2 de abril de 2020

Manual de sobrevivência na quarentena: como visitar os parques sem sair de casa

Enquanto a recomendação é ficar de quarentena e os parques estão com a visitação suspensa, websérie é opção de fazer um passeio sem sair de casa

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Ombudsman diz:

    A repórter não tá sabendo a diferença de quarentena e isolamento social…