Salada Verde

MPF recomenda que Ibama negue licença à petroleira na foz do Amazonas

Órgão entende que a única forma de garantir que se evitem danos ambientais na área dos recifes de corais é negando o licenciamento à Total E&P do Brasil

Sabrina Rodrigues ·
19 de abril de 2018 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Foto: ©Greenpeace.

 

Por considerar insuficiente o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) na região onde foram identificados recifes de corais e ecossistema ainda desconhecido, o Ministério Público Federal (MPF) no Amapá recomendou ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) negar a licença para exploração de petróleo na foz do rio Amazonas solicitada pela Total E&P do Brasil. A recomendação foi expedida na quarta-feira (18).

O MPF entende que é necessária a realização de um estudo adequado, e que as atividades petrolíferas não violem os compromissos internacionais firmados pelo Brasil, como a Agenda 21 – programa de ações para o desenvolvimento sustentável resultante da ECO 92, para assim, liberar a exploração petrolífera na região.

Em 2016, a Total teve que refazer o estudo de impacto ambiental por determinação do Ibama. Mesmo com novos esclarecimentos feitos pela empresa, o MPF concluiu que ela não foi capaz de demonstrar segurança necessária para a exploração de petróleo na área. Além disso, a Total E&P do Brasil declarou que existe o risco de eventual vazamento e que isso poderia afetar o ambiente marinho, físico e biótico de países vizinhos ao Brasil, o que, para o MPF, poderia causar problema diplomático.

Há dois anos, pesquisadores revelaram a existência de um recife de corais de cerca de quase mil quilômetros de extensão na foz do rio Amazonas, que se estende entre a costa do Amapá, passando pela costa do Maranhão até a Guiana Francesa. A descrição da barreira de corais indica a existência de ecossistema singular, com características ainda não encontradas no planeta. Para o MPF, a única forma de garantir que se evitem danos ambientais na área é negando o licenciamento à Total E&P do Brasil.

O MPF concedeu dez dias de prazo para o Ibama informar o acatamento ou não da recomendação. Caso não atenda, serão adotadas as medidas judiciais cabíveis.

*Com informações da Assessoria de Comunicação do Ministério Público Federal no Amapá.

 

Leia Também

Greenpeace divulga as primeiras imagens dos Corais da Amazônia

Ibama não negou licença à petroleira no foz do Amazonas

Cientistas revelam recife submerso na costa amazônica

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
25 de abril de 2016

Cientistas revelam recife submerso na costa amazônica

Uma equipe de brasileiros e americanos encontra na foz do rio Amazonas corais que se estendem por cerca de mil quilômetros, do Maranhão a Guiana Francesa

Salada Verde
31 de agosto de 2017

Ibama não negou licença à petroleira no foz do Amazonas

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, houve requerimento de complementações ao estudo ambiental, já que os estudos foram considerados insuficientes

Notícias
30 de janeiro de 2017

Greenpeace divulga as primeiras imagens dos Corais da Amazônia

A descoberta do recife de 9.500 km² de extensão localizada na costa do Amapá surpreendeu os cientistas por tamanha riqueza. Mas, as companhias de petróleo planejam perfurar a área

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Advento diz:

    Mas é lógico que tem que negar. Vão tirar petróleo em locais longe da vida marinha. Estão loucos? Um tanto de fonte de energia alternativa surgindo como a eólica por exemplo, e ainda tem discussão para destruir o meio ambiente brasileiro.


  2. Everardo diz:

    Se o estudo fosse bom o MPF recomendaria negar do mesmo jeito. É o quarto poder e ativista.