Notícias

Definidos relatores do Código no Senado

Nathália Clark Brasília – Nessa semana foram anunciados os dois novos relatores do projeto do Código Florestal durante sua tramitação no Senado. Na terça-feira (31), pela Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), o nome indicado foi o do senador Jorge Viana (PT-AC). Na manhã desta quinta (2), foi definido

Nathália Clark ·
3 de junho de 2011 · 11 anos atrás

Nathália Clark

Avanço do desmatamento na Amazônia. Município de Porto de Moz, no Pará. Crédito: Leonardo Freitas.
Avanço do desmatamento na Amazônia. Município de Porto de Moz, no Pará. Crédito: Leonardo Freitas.
Brasília – Nessa semana foram anunciados os dois novos relatores do projeto do Código Florestal durante sua tramitação no Senado. Na terça-feira (31), pela Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), o nome indicado foi o do senador Jorge Viana (PT-AC). Na manhã desta quinta (2), foi definido que o relator na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) será Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC).

Ainda falta decidir sobre a relatoria na terceira comissão pela qual o projeto de lei passará, a de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). O nome cotado é o do senador Acir Gurgacz (PDT-RO), presidente da CRA.

O texto final do Projeto de Lei aprovado na semana passada na Câmara dos Deputados chegou ao Senado Federal na quarta-feira (1). A proposta passa a tramitar nessa instância com o número PLC 30/2011. Depois de lido em Plenário, o projeto será encaminhado para as Comissões, não estando ainda definido qual dos colegiados examinará primeiro a matéria.

Viana disse na primeira reunião de trabalho com o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), presidente da CMA, que o momento é de ouvir pessoas com conhecimento da matéria: “Vamos começar pela comunidade científica, em busca de avaliações embasadas, desprovidas da emoção que o tema da preservação ambiental provoca”.

De acordo com ele, a comissão deverá ouvir, além do relator do projeto na Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), e da comunidade científica, juristas com especialização em Direito Ambiental. A CMA tem a responsabilidade de analisar o mérito da proposta, e a tendência é que, por isso, Viana seja também o relator da matéria no plenário.

Histórico dos relatores

Jorge Viana é ex-governador do Acre, estado do qual esteve à frente por oito anos (de 1999 a 2006), quando batizou sua gestão de “governo da floresta”. Petista, o senador também é visto como um interlocutor seguro com o Palácio do Planalto.

De acordo com um estudo do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) feito à época, nos seis primeiros anos de seu governo, o Acre desmatou quase 5.000 km², o equivalente a mais de três cidades de São Paulo. A devastação aumentou 42% no período.

Para Mauro Armelin, coordenador do Programa Amazônia do WWF-Brasil, o que diz o estudo diverge em metodologia com os dados obtidos pelo governo à época: “O que acontece é que 80% do desmatamento no Acre ocorre em pequenas propriedades e pequenos polígonos, que são bastante difíceis de detectar. Isso não significa que ele seja pró-desmatamento”.

Já Luiz Henrique é ex-governador de Santa Catarina. Durante seu mandato, ele chegou a sancionar uma versão estadual da norma que agora é debatida no Congresso. O Código catarinense, que acabou embargado por questionamentos na Justiça, previa apenas 5m de faixas de vegetação nas margens de córregos com 5m de largura, enquanto que o de Aldo Rebelo ainda manteve os 30m de preservação.

O senador peemedebista é visto como favorável a propostas como a da Emenda 164, que dá aos Estados maior poder na legislação ambiental, no que diz respeito à definição de regras sobre cultivo em Áreas de Preservação Permanente e limitações de Reserva Legal.

Encaminhamentos

Está agendada para a próxima quinta-feira (9), às 11h, uma audiência pública conjunta da CRA e da CMA para discutir as alterações no código com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. A decisão de reunir as duas comissões para audiência tem como objetivo contribuir para um entendimento em torno da matéria, que transitou pela Câmara dos Deputados em meio a muita controvérsia. A idéia é elaborar um relatório conjunto do projeto.

QUADRO OPINATIVO
Adriana Ramos, secretária executiva adjunta do Instituto Socioambiental (ISA):
“Acho complicada a indicação do Luiz Henrique, pois ele tem uma visão que reproduz a tentativa de descaracterização da legislação ambiental. Isso sinaliza uma proposta de não valorização do Código.

Já o Jorge é reconhecido dentro do PT, tem diálogo aberto com diferentes segmentos da sociedade. Apesar de levantar a bandeira da floresta, ele não deixa de lidar com o setor empresarial. O fato de ele não ser identificado só com os ambientalistas é bom para não causar impressão de extremismo. Creio que ele tem todas as condições de fazer um bom relatório. Além de tudo, é engenheiro florestal de formação e conhece a realidade da Amazônia.

Só espero que o relator da Comissão de Meio Ambiente seja o relator do mérito da proposta, e tenha a prerrogativa no Plenário. Isso, talvez, seja o mais importante, pois o Código é para o meio ambiente, não para a agricultura.”

Márcio Astrini, coordenador da Campanha de Florestas do Greenpeace Brasil:

“Primeiro de tudo nós não temos que ‘achar’ nada sobre eles, mas ‘cobrar’ que façam o que não foi feito no debate na Câmara: ouvir, com tempo, a sociedade, os cientistas, todos os setores interessados, e não deixar que seja apresentado um texto que só sirva para uma parcela específica.

O Luiz (Henrique) já deu declaração de que a lei de SC seria seu mote para rever o projeto do Código. Se isso se concretizar em texto, ele não fará nada de diferente do que os ruralistas fizeram na Câmara.

O principal é que há muito trabalho pela frente. Um deles é pedir análises jurídicas e econômicas sobre o texto, considerando todos os fatores, inclusive os compromissos do Brasil e o mercado agrícola mundial. Devem ser traçados cenários e os impactos devem ser medidos. Na Câmara foi feito um trabalho eleitoral, não com métodos. E o momento de fazer os estudos é agora, pois quando a primeira comissão alterar o texto, a matéria deve sair de pauta.”

Mauro Armelin, coordenador do Programa da Amazônia do WWF-Brasil:

“Não tenho dúvida de que a visão do Luiz Henrique é a mesma de quando ele tentou implementar a lei catarinense. Mas agora, o contexto é diferente. Há uma situação de disputa política para ver quem manda mais, se o executivo ou o legislativo. Tem mais coisa por trás do Código Florestal, além de APP e Reserva Legal. Há uma disputa dentro do governo que pode mudar a opinião dele e fazer com que tenha uma performance diferente da que teve enquanto governador. E isso é algo em que eu gostaria de apostar.

O trabalho unido das comissões na construção de um relatório conjunto pode dar certo.
Sobre o Jorge, eu não o vinculo à Marina de forma alguma. Já foram, sim, aliados, mas ele tem personalidade, trajetória e estrela próprias. É um homem ligado ao setor privado, que pensa em atrair indústrias para trabalhar com a floresta, num desenvolvimento sustentável.

Além disso, ele é engenheiro florestal e entende a necessidade da Amazônia. O papel da sociedade civil agora é pressionar, tanto a ele quanto aos outros, para que não se deixem render pelas pressões. E o papel do Senado é encontrar entre os três relatores qual será mais qualificado para assumir o mérito no plenário. Com o seu conhecimento, o Jorge pode sair na frente.”

Veja também:

Morre Zé Cláudio, símbolo de luta pela castanheira

{iarelatednews articleid=”25061, 24979, 25022, 25060″}

  • Nathália Clark

    Nathalia Clark é jornalista na área de meio ambiente, desenvolvimento sustentável, mudanças climáticas, justiça social e direitos humanos.

Leia também

Reportagens
27 de maio de 2022

Um caminho (e um sonho) para unir a América

A construção de uma trilha pan-americana que conecte caminhos do Alasca à Patagônia parece um sonho distante, mas já há sonhadores dispostos a montar esse quebra-cabeça

Notícias
27 de maio de 2022

São Paulo registra duas décadas de poluição do ar acima do recomendado pela OMS

Em alguns pontos da cidade, concentração de poluentes foi quatro vezes maior do que o indicado, mostra estudo. Poluição mata 7 milhões de pessoas por ano no mundo

Notícias
26 de maio de 2022

Conexão de trilhas e pessoas embala 1º Congresso Brasileiro de Trilhas

Evento que começou nesta quarta (25) e se estende até domingo, em Goiânia, conta com mais de 1.500 inscritos para discutir e fomentar a implementação de trilhas no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta