Reportagens

Preservação: uma questão de lucro

Estudo calcula o potencial econômico das unidades de conservação brasileiras, da venda de produtos florestais, até armazenamento de carbono, e conclui que preservar é bom para o bolso.

Juliana Tinoco ·
20 de junho de 2011 · 11 anos atrás
No vídeo abaixo, Carlos Eduardo Young fala da redução de emissões de carbono em unidades de conservação.

O Brasil conta hoje com cerca de 700 unidades de conservação federais e estaduais, espaços de terra ou mar delimitados por lei, de grau mais ou menos restrito, para proteger recursos naturais e biodiversidade. Mas se conservar vem no nome, gerar riquezas está no DNA, garante o estudo “A Contribuição das Unidades de Conservação para a Economia Nacional”, que conclui, na ponta do lápis, ser lucrativo preservar a natureza no país.

O estudo, parceria do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com o Ministério do Meio Ambiente, calcula os benefícios econômicos das áreas de proteção, entre eles, venda de madeira e produtos florestais, turismo, proteção das águas e a quantidade de carbono que deixa de ir para a atmosfera graças à preservação. Conclui que, na soma, as unidades de conservação geram mais do que gastam.

Só a produção de madeira em tora nas Florestas Nacionais e Estaduais da Amazônia, áreas onde o corte é manejado e não fruto de desmatamento ilegal, tem o potencial de gerar entre R$ 1,2 e R$ 2,2 bilhões ao ano, ou mais do que toda a madeira nativa atualmente extraída no país. 

O valor se aproxima ao potencial de geração de renda do turismo dentro das unidades de conservação. A estimativa, até 2016, é de que a visitação e o uso público rendam entre R$1,8 e R$ 2 bilhões ao país. Em apenas 18 dos Parques Nacionais brasileiros, garante o estudo, a visitação é capaz de gerar o suficiente para ultrapassar o orçamento anual de manutenção de todos as unidades federais do Brasil.

Apesar de expressivos, os resultados são conservadores, ressalta Carlos Eduardo Young, professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e um dos pesquisadores do estudo. Deixam de fora critérios sobre os quais há poucos dados científicos disponíveis, como o valor da biodiversidade.

“Existe uma percepção que as unidades de conservação são quase um custo a ser pago para que a biodiversidade e os demais produtos florestais possam ser preservados. Sua importância econômica é muito pouco trabalhada”, diz Young.

Quando o tema é carbono, o estudo garante que a criação e manutenção das unidades de conservação no Brasil impediu a emissão de pelo menos 2,8 bilhões de toneladas de carbono, o que, em cifras, corresponderia a R$ 96 bilhões.

Investimentos na manutenção de unidades de conservação em diferentes países
O Brasil investe pouco na manutenção e criação de unidades de conservação. Segundo o estudo, nos últimos anos, o orçamento disponiblizado para o Ministério do Meio Ambiente esteve abaixo do de 17 outros ministérios. Fonte: CNUC 2010
O Brasil investe pouco na manutenção e criação de unidades de conservação. Segundo o estudo, nos últimos anos, o orçamento disponiblizado para o Ministério do Meio Ambiente esteve abaixo do de 17 outros ministérios. Fonte: CNUC 2010

Saiba mais
Download de publicação na íntegra

{iarelatednews articleid=”16738,7903,14363,2531″}


  • Juliana Tinoco

    Juliana Tinoco é jornalista multimídia especializada na cobertura de Meio Ambiente, Ciência e Direitos Humanos. Por quinze an...

Leia também

Análises
24 de janeiro de 2022

O legado de Thomas Lovejoy para a ecologia brasileira

Falecido em dezembro, Lovejoy concebeu o que viria a ser o mais duradouro experimento ecológico realizado até hoje em florestas tropicais

Notícias
24 de janeiro de 2022

Lewandowski suspende decreto que tirou proteção das cavernas de máxima importância

Decisão do ministro do STF acata parcialmente pedido de medida cautelar protocolado pela Rede e pelo Partido Verde, que apontam inconstitucionalidade do decreto presidencial que removeu proteção das cavernas

Notícias
24 de janeiro de 2022

Satélites apontam garimpo como responsável pela mudança da cor da água do rio Tapajós

Análise de imagens de satélite feita pelo MapBiomas aponta evidências de que a coloração diferente nas águas do rio paraense é resultado da explosão do garimpo na região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta