Notícias

AGU derruba na Justiça decisão que impedia obras em Belo Monte

Atendimento das condicionantes previsto na licença prévia foi garantido e Justiça cassa decisão anterior. Obras continuam.

Redação ((o))eco ·
30 de outubro de 2013 · 8 anos atrás

Obras no Canal de Derivação da hidrelétrica Belo Monte que está sendo construída em Altamira, no Pará. Foto: PAC 2/ Divulgação
Obras no Canal de Derivação da hidrelétrica Belo Monte que está sendo construída em Altamira, no Pará. Foto: PAC 2/ Divulgação

A Advocacia-Geral da União (AGU) derrubou na Justiça a liminar que impedia a continuidade das obras na Usina Hidrelétrica de Belo Monte. A decisão foi dada nesta quarta-feira (30) pelo presidente do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), em Brasília, desembargador Mário Cesar Ribeiro. O Consórcio Norte Energia, responsável pela construção da usina, divulgou nota à imprensa afirmando que as obras estão em pleno funcionamento.

Não houve necessidade de interromper as obras. Na sexta-feira (25), o mesmo Tribunal, havia acatado pedido do Ministério Público Federal de suspender o licenciamento ambiental do empreendimento até que fossem atendidas todas as condicionantes. Entretanto, apenas ontem (29) o Consórcio Norte Energia foi notificado judicialmente. Na manhã desta quarta, os procuradores federais já haviam conseguido reverter a decisão.

O desembargador Mário Cesar Ribeiro concordou com o argumento da Advocacia-Geral da União (AGU) de que somente os tribunais superiores ou o o plenário do TRF-1 poderiam modificar um entendimento anterior favorável às obras. A retomada da obra foi por feita por uma questão processual (ou seja, as regras procedimentais de condução de processos judiciais) e não pelo mérito das argumentações do Ministério Público em relação a um licenciamento considerado mal feito.

Lobão critica decisões judiciais contrárias às hidrelétricas

Em cerimônia de posse do novo diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, criticou as decisões judiciais que paralisam as obras das usinas hidrelétricas de Belo Monte, no Pará, e de Teles Pires, entre o Mato Grosso e o Pará.

“Os ambientalistas não se incomodam muito com o que se vai fazer no futuro, não querem saber da ideia de que um dia poderá faltar energia em suas residências. Eles querem energia, mas não gostam da ideia de que se construa hidrelétricas nesse país”, disse Lobão.

O ministro atribuiu aos ambientalistas às determinações da Justiça de suspender as obras das hidrelétricas. “No mundo moderno não se faz, não se realiza, não se constrói senão com energia farta e, tanto quanto possível, com preços baixos”, completou.

Entenda a batalha judicial de Belo Monte

Em fevereiro de 2011, o Ministério Público Federal do Pará (MPF-PA) ajuizou ação civil pública questionando a emissão da licença de instalação. Na época, a 9ª Vara da Seção Judiciária do Pará concedeu a liminar requerida pelo órgão, suspendendo as licenças ambientais da usina. Na mesma decisão, o BNDES foi obrigado a cessar qualquer transferência de recursos à Norte Energia S/A, até que fosse comprovado o cumprimento das condicionantes para continuação das obras.

A Advogacia Geral da União (AGU) recorreu ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Os procuradores federais alegaram que não seria possível suspender as obras de Belo Monte, afirmando que as condicionantes haviam sido atendidas, pois o próprio Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) confirmou que não houve irregularidade. Em março de 2011, o desembargador Olindo Menezes, então presidente do TRF-1, concordou com os argumentos da AGU e a licença voltou a valer.

Posteriormente, o processo originado na Justiça do Pará foi extinto, após a licença de instalação ter sido substituída. O MPF recorreu no TRF1. No último dia 25/10, o desembargador Antonio Souza Prudente deu parecer favorável ao MPF com a determinação de suspensão da obra. A decisão de Prudente foi cassada pelo atual presidente do Tribunal, Mário Cesar Ribeiro.

As obras continuam.

 

 

Leia Também
BNDES não pode repassar recursos para Belo Monte
Ibama: consórcio não cumpre condicionantes de Belo Monte
Ministério Público divulga processos contra Belo Monte

 

 

 

Leia também

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Notícias
15 de outubro de 2021

Justiça do México suspendeu revisão da meta climática, apresentada em 2020

Assim como o Brasil, o México revidou a meta para abaixo do estabelecido no Acordo de Paris. Greenpeace questionou na Justiça a nova NDC e ganhou

Reportagens
15 de outubro de 2021

Com acordo político, 1ª parte da Conferência da ONU sobre Biodiversidade chega ao fim na China

Mais de 100 países assinaram Declaração de Kunming, se comprometendo politicamente a preservar a biodiversidade do planeta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta