Salada Verde

Em ano de apagão, energia é foco

Comissão sobre Mudanças Climáticas do Senado propõe que país estabeleça limites legais para perdas técnicas na geração, transmissão e distribuição de energia. Ineficiência custa R$ 4,7 bi.

Salada Verde ·
24 de dezembro de 2009 · 12 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

A Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas do Senado concluiu, em seu relatório anual, que é necessário estabelecer limites legais para as perdas técnicas na geração, transmissão e distribuição de energia no país para combater o aquecimento global. A sugestão do grupo tem o objetivo de reduzir o desperdício no setor e incentivar investimentos em fontes alternativas de energia. Somente em 2008, o Brasil perdeu R$ 4,7 bilhões devido à ineficiência energética.

O relatório do deputado Colbert Martins (PMDB-BA) aprovado pela comissão mista recomenda ainda a aprovação de medidas que há muito tempo deveriam ter saído do papel, como as leis que instituem a Política Nacional de Mudanças Climáticas e a Política Nacional de Resíduos Sólidos. No documento, os senadores ainda propõem medidas básicas para redução de emissões, como diminuição gradual do uso de carvão mineral no país e controle sobre o desmatamento nos biomas brasileiros.

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta