Salada Verde

Cuiabá já perdeu 17% de sua cobertura vegetal em três décadas

Estudo do Instituto Centro de Vida aponta que os principais responsáveis pelo desmatamento são as ocupações irregulares e obras de infraestrutura

Sabrina Rodrigues ·
8 de abril de 2019 · 3 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O rio Cuiabá é bastante impactado pelas ocupações irregulares. Foto: Luiz Carlos Rocha/Flickr.

Ocupações irregulares e obras de infraestruturas colaboraram para que Cuiabá, capital de Mato Grosso, perdesse 17% de sua cobertura nativa, em um período que vai de 1988 a 2017. Os dados são da Análise da perda de vegetação nativa no município de Cuiabá entre 1988 e 2017, realizado pelo Instituto Centro de Vida (ICV).

A capital de Mato Grosso perdeu 55 mil hectares de sua vegetação nativa nos últimos 30 anos, o equivalente a 13,8 vezes a área do Parque Nacional da Tijuca, o segundo maior parque urbano do país.

A análise da mudança no uso de solo do município foi feita através de dados disponibilizados pelo Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo do Brasil (MapBiomas).

O principal fator de pressão é o de ocupações irregulares, causados pela demanda por habitação. Dos 115 bairros reconhecidos legalmente no perímetro urbano de Cuiabá, mais de 40% das localidades são consideradas como “assentamentos informais”.

“Nós observamos um avanço grande do impacto nas áreas de preservação permanente de rios e córregos, como o rio Cuiabá e o Barbados que são bastante impactados por essas ocupações irregulares”, aponta Vinícius Silgueiro, coordenador de geotecnologia do ICV.

Outro fator de pressão sob as áreas verdes do município são as obras mal planejadas de infraestrutura. O pacote de obras para a implementação do Veículo Leve sobre os Trilhos (VLT) causou a retirada de 2.500 árvores. A obra faz parte do pacote da Copa do Mundo de 2014, já custou mais de R$ 1 bilhão e não foi concluída até hoje.

 

Saiba Mais

Análise da perda de vegetação nativa no município de Cuiabá entre 1988 e 2017

 

Leia Também

Bacia amazônica perdeu 295 mil Km² da sua cobertura vegetal

Pan-Amazônia perdeu uma Rondônia entre 2000 e 2013

Mato Grosso e Pará, os campeões de desmatamento na Amazônia

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
16 de janeiro de 2014

Mato Grosso e Pará, os campeões de desmatamento na Amazônia

Imagens de satélite indicam que nos últimos 25 anos, em meio ao avanço da fronteira agrícola, estados são os que mais tiveram áreas devastadas.

Notícias
5 de outubro de 2015

Pan-Amazônia perdeu uma Rondônia entre 2000 e 2013

Em 13 anos, desmatamento consumiu 3,6% do total da floresta. Ritmo da destruição diminuiu, mas ainda é alto, afirma estudo lançado hoje.

Reportagens
24 de março de 2019

Bacia amazônica perdeu 295 mil Km² da sua cobertura vegetal

Área equivale ao tamanho do estado de São Paulo e Espírito Santo juntas que deixaram de ser florestas. O bioma amazônico se estende por 9 países da América do Sul

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta